Israel suspende cooperação com a Unesco

Jerusalem, Israel

Jerusalem, Israel

O governo de Israel anunciou nesta sexta-feira (14/10) a suspensão da cooperação com a Unesco, um dia depois de um comitê da organização admitir duas resoluções, apresentadas por sete países árabes. Os textos, segundo os israelenses, ignoram o laço histórico milenar entre judeus e alguns dos lugares históricos de Jerusalém.

Em carta dirigida à diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, o ministro da Educação israelense, Naftali Bennett, declara que, após “a vergonhosa decisão” de membros do órgão da ONU, decidiu ordenar à comissão israelense na Unesco a suspensão de “todas as atividades profissionais” com a organização.

Bennett afirma ainda que, com a aprovação da resolução, os membros do órgão estão oferecendo “apoio imediato ao terrorismo islâmico”.

“O mundo deveria contestar a Unesco e todos aqueles que gratificam o terror. Assim como se dizem contra o terrorismo islâmico em Palmira e Aleppo, deveriam se opor também ao terrorismo diplomático em Jerusalém”, destacou o ministro no texto.

As resoluções admitidas na quinta-feira se referem à “Palestina ocupada” e à necessidade de “salvaguardar a herança cultural palestina e o caráter distintivo de Jerusalém Oriental”. O texto foi aprovado com 24 votos favoráveis, seis contra e 26 abstenções, além de duas ausências.

Elas , referida em todo o documento como complexo de Al-Aqsa e nunca como Monte do Templo – como é conhecido na tradição judaico-cristã –, uma vez que na base se encontra o Muro das Lamentações, o lugar mais sagrado do judaísmo.

A decisão de países-membros da Unesco gerou críticas, inclusive, por parte de Bokova. Em comunicado, a diretora-geral da organização afirmou que “o patrimônio de Jerusalém é indivisível e que cada uma de suas comunidades têm direito ao reconhecimento explícito de sua história”.

“Negar ou querer apagar as tradições judaica, cristã e muçulmana põe em risco a integridade do lugar”, disse a chefe da Unesco, comprometendo-se a trabalhar para restabelecer o consenso no órgão. “Quando as divisões imperam, não é possível exercer sua missão de diálogo e busca pela paz”, completou.

Após a admissão por um comitê de membros da Unesco, as resoluções serão apresentadas para votação, na próxima terça-feira, aos 58 Estados-membros do Conselho Executivo da organização. Na quinta-feira, o presidente do conselho, Michael Worbs, afirmou esperar que o documento não seja votado formalmente na semana que vem, mas adiado para dar “oportunidade ao diálogo”.

Fonte: DW

Convocatória Igreja: Vamos estar em Israel no aniversário de reunificação de Jerusalem.

CARAVANA JERUSALÉM CIDADE DE OURO 50 ANOS saiba mais aqui_eu vou

 

 

Veja também

Curiosidade Israel: Campeonato Israelense tem jogos aos sábados, mas Suprema Corte quer saber porque
Ver mais
Ao amanhecer no deserto de Negev, sul de Israel, Mahmud Kashua faz a primeira oração do dia com uma arma ao seu lado. Ele faz parte do crescente número de árabes israelenses que voluntariamente servem no exército do Estado judeu.
Ver mais
Morre Shimon Peres último representante da geração que fundou o Estado israelense, ex-premiê foi uma das figuras mais importantes do país.
Ver mais
História 1938: O pogrom da "Noite dos Cristais" marcou o início do Holocausto, que causou a morte de seis milhões de judeus na Europa até o final da Segunda Guerra Mundial.
Ver mais